Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

sábado, 6 de março de 2010

O Homem


O que cada homem é transcende o seu próprio conhecimento, e todo o homem que julga conhecer-se em toda a sua plenitude já perdeu toda a razão do Ser Humano, pois limitou-se apenas à sua humanidade e racionalidade.

1 comentário:

Mariz disse...

Salvé querida amiga

Vim deixar o meu beijo de uma santa Páscoa porque vou entrar de retiro daqui a alguns dias - abri os comentários também neste período, para que possa responde lá a quem me vista.
Não tenho andado na net, como sabe.
Então que este tempo seja de fasto de renascimento em nós, já que a mudança que sempre podemos operar seja para valer e não intermitente.

Abraço amigo com ternura
Sempre...
Eternamente
Mariz