Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

terça-feira, 27 de julho de 2010

Contemplação da natureza

Quando se começa um trabalho o sonho é acabá-lo. E faz-se tudo para o conseguir. Para tal, enquanto trancada no meu escritório, a tarde deu lugar à noite que, aliás, ainda guarda alguns reflexos de sol bem visíveis no maravilhoso círculo que envolve a lua. As nuvens cinzentas, embevecidas, parecem ter terminado o seu bailado parando, algures, bem presas no azul do céu, velando a terra. Os arvoredos cederam os seus verdes à escuridão, e agora, as janelas das habitações brilham como estrelas, enquanto, placidamente, meu coração rejubila nesta incomparável, silenciosa e harmoniosa alegria da contemplação da natureza – embriagada com os meus dois dedos de poesia

2 comentários:

Vieira Calado disse...

A poesia relaxa!

Que viva a poesia!


Beijoca

Rafael Santiago disse...

Simplesmente amei este.
não existe nada mais maravilhoso que a natureza...