Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

SAUDADE E SOSSEGO

Hoje, a Casa onde viveste
estava mais triste.
As paredes soluçavam
e as portas exibiam
os seus olhares sombrios de saudade!

Entrei na Capela.
Falou-me muito de ti.
Subi a escadaria
e cortei no primeiro corredor
à direita.
Desejei sofregamente
beijar aquela mesa onde
frente a frente
nos falávamos...
mas... havia colegas.
Então... meus olhos marejaram
lembrando o desmedido crescimento
que esses dedos de conversa
me produziam.

Dei meia dezena de passos,
olhei ternamente
a tua porta!...
Estava fechada!
Ouvi a suave melodia dos teus passos
e a doçura da tua voz calorosa e firme,
senti o teu cheiro...
e nos segredos mais profundos
do meu coração saudoso
falei mais intensamente
para AQUELE
que tão bem me mostraste
e nos unia
e para QUEM continuaremos
a caminhar firmemente
e com coragem
não importa de que direcção!...

Sossega-me o saber
que quando o SEU AMOR
nos habita
une-nos e aproxima-nos!...
Não há longe nem distância!...
Não há solidão!

Hermínia Nadais

Sem comentários: