Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

domingo, 9 de março de 2008

Mulher... MULHER!



Criatura de Deus, frágil... e forte!
Estrela serena que no céu reluz!
Lutando pela vida... com a morte!
Carregas aos ombros o peso da cruz!

Apareceste, por seres desejada
P’ra companheira do homem solitário...
E logo após começou o teu calvário
Quando p’la serpente tu foste enganada!...
De bem querida, passaste a desprezada
E a culpada do trabalho e da má sorte...
Transformaram tua vida em dura morte...
Em objecto de prazer e de loucura...
Donde tiveste de partir para a aventura!...
Criatura de Deus, frágil... e forte!

Do teu olhar transmites harmonia!
Do teu coração luz e esperança!
Do teu querer a força e a confiança!
Do teu viver conforto e alegria!
Tal qual outrora pelas mãos de Maria
Chegou à Humanidade o bom Jesus,
O teu querer a todos bem conduz,
Por teu labor e anseio há, na verdade,
Amor, carinho, paz, tranquilidade...
Estrela serena que no céu reluz!

Procuraste a liberdade e conseguiste
Quando lutaste com garra e persistência...
Quando usaste a habilidade e a prudência
E do abuso do poder tão bem fugiste!...
Com tal sucesso o mundo não resiste
A louvar com enlevo o teu suporte,
Tua coragem e empenho que dá sorte
A quem de ti se acerca na amargura!...
Pois tu a todos acolhes com ternura
Lutando pela vida... com a morte!

Com a morte que em ti sentes p’ra te dar
Ao irmão que a teu lado sofre e chora...
Pois por ele estás desperta a toda a hora
Disposta a tudo fazer para ajudar!...
E não há nada que te faça recuar
Quando decides das trevas fazer luz...
Quando o teu querer mais forte já reduz
Tua vontade ao bem-estar de todo o irmão!...
Então... no teu bem dilacerado coração...
Carregas aos ombros o peso da cruz!

Hermínia Nadais

Sem comentários: