Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

AO ACASO!...

Eu não quero viver ao acaso! Ninguém quer viver ao acaso! Temos necessidade de escolher itinerários para definir caminhos e de nos esforçarmos por trilhar os caminhos escolhidos.
Contudo, nem sempre isso é possível. Então quando nos propomos viver em “casas ambulantes” onde muitas vezes acaba por não haver caminho, sítio ou lugar pré-concebido… o caminho vai-se fazendo caminhando, um pouco ao acaso.às vezes com surpresas agradáveis, outras, nem tanto.
Cinco dias em Fátima, ontem, depois de passar pela Pia do Urso, chegamos à Batalha, que estava no final de uma semana de festas a acabar com um espectáculo musical do Rui Veloso.
Não sou de andar por estas andanças, mas quis fazer a experiência. Durante um certo tempo, tentei e consegui “fazer silêncio” no meio daquele estrondoso ruído. Depois decidi integrar-me naquele montão de gente aglomerada frente ao palco a acompanhar todas as palavras e movimentos do cantor, numma euforia calorosa e contagiante.
Foi a primeira vez que me vi rodeada de pessoas mais que satisfeitas e felizes frente ao “seu ídolo”, que, contrariamente ao que eu imaginava nestes “ídolos itinerantes”, era simples, acolhedor, esforçado, agradecido, amigo, um homem que aparenta ser igual a si mesmo numa responsabilidade e dedicação total à arte que lhe faz brilhar tão fortemente o nome.
Antes de finalizar o espectáculo, chamou a si a também artista “Cátia Guerreiro”, que de forma vibrante e calorosa cantou e encantou.
Eu conhecia algumas canções do Rui Veloso, mas desconhecia a irmanação, aconchego e elogio dado aos seus colaboradores, a dinâmica maravilhosa daquele grupo cuja unidade de interesses e acção são visíveis e contagiantes.
Por vários momentos interpolados lembrei o calor ardoroso dos artistas brasileiros ligados à Canção Nova, que, com cânticos específicos dedicados a mostrar à plateia o Amor e Vida com e em Jesus Cristo, são aplaudidos e acompanhados tal como eu vi aquele povo fazer com Rui Veloso e o seu conjunto.
Então, lembrei que a vida é uma festa, sim, quando conseguirmos influenciar, em todos os momentos da vida, o lado bom das coisas e fazer todos os possíveis por espalhar amor e alegria.
Áh! Igreja Santa que eu amo e sou: Acorda!
Deixa que a Tua Hierarquia se preocupe menos em denunciar más acções (pecados) para pedir insistentemente às pessoas que tentem fugir das suas más experiências (pecados) e procurem avidamente tudo quanto dê felicidade com a prática do bem e de dar alegria com actos de compreensão e amor.
Todos nós temos o bem e o mal a acompanhar-nos na vida.
O jardim bem tratado dá boas flores frescas, viçosas e coloridas. Sabemos que nos espaços destratados ou jardins descuidados as silvas e ervas daninhas crescem sem dar trabalho algum a cuidar, mas ninguém quer terrenos ou jardins assim.
Então esforcemo-nos por tratar convenientemente, a todo o custo, o nosso jardim do bem, e o mundo, sem caminheiros ao acaso, será melhor e melhorará a cada dia.

Sem comentários: